sexta-feira, 18 de maio de 2018

Poucos versos

São poucos os versos e não
serão jamais capazes de sintetizar
o grande Amor que Ti recebo.
São poucos os versos, incapazes,
como já disse, meio sem rumo,
meio vagos, meio perdidos...
Poucos e incertos, por vezes
belos, mas não totalmente próprios.
São frutos deste Amor que todos os
dias eu provo.
São poucos e os renovo todos os dias
quando silencio, contemplo e ponho-me
em oração.
Quando ouço uma canção que fala de Ti,
quando para e olho-te a fazer-se vulnerável
e sendo um Deus tão imenso, permitir que
seja alcançado.
Escrevo, porque não consigo deixar em
mim retida tão grandiosa obra.
Sabendo que todos os livros do mundo não
seriam capazes de descrever Tua grandiosidade,
escrevo estes poucos versos que falam de Ti,
que falam do Teu amor!